Seu browser não dá suporte a Javascript!
Acesso à informaçãoImagem Portal de Estado do Brasil
Home

Jogo de estratégia trabalha o raciocínio e o espírito de equipe

 

IMG 0448Reunidas no pátio entre os blocos do instituto, as turmas do 1º ano do ensino médio tiveram uma aula diferente nesta manhã. Divididos em quatro equipes, os alunos participaram do Stratego, um jogo de tabuleiro. Mais do que isso, os estudantes puderam se sentir dentro do jogo e pensar em como desenvolver as melhores estratégias. Isso porque eles mesmos foram as peças do tabuleiro desenhado com giz na calçada do campus.

Leia mais

 

Alunos ajudam a arborizar o campus

arvoreO campus do IFSul está sendo arborizado. O plantio de árvores teve início neste mês e está envolvendo alunos, professores e funcionários do instituto. Já foram plantadas mudas de palmeira real, doadas pela mãe de um estudante. A Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) também apoia a ideia e forneceu mudas de árvores, por meio do projeto Verde é Vida. Em breve, o instituto vai estar cercado de plátanos, pitangueiras, cerejeiras e ingazeiros.

 

IFSul busca na Alemanha ideias para investir em energia renovável

alemanhaEntre os dias 13 e 19 de maio, uma comitiva do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) esteve na Alemanha. A missão teve o propósito de conhecer projetos de energia renovável desenvolvidos no país europeu. Depois de visitar parques de geração de energia, usinas de biogás e de energia solar e eólica, o grupo volta ao Rio Grande do Sul com ideias para projetos e pesquisas nessa área. Além disso, há a possibilidade de estudantes do país alemão realizarem intercâmbio no Rio Grande do Sul já no próximo ano.

O diretor-geral do campus Venâncio Aires, Marcelo Bender Machado, representou o reitor do IFSul na viagem. De acordo com Machado, um dos objetivos da instituição é utilizar energias renováveis dentro dos próprios campus. "Queremos abrir frente de pesquisa nessa área e usar isso no instituto. A ideia é que a gente difunda a energia solar como solução energética dos nossos campi", comenta.
Além dos professores Ana Maria Geller e Guilherme Karsten Schirmer, do campus Camaquã, a diretora de Projetos e Obras do IFSul, Lúcia Helena Kmentt Costa, também participou das visitas. Ela aproveitou a viagem para conhecer opções que possam ser aplicadas na estrutura dos campi, especialmente nos de Lajeado, Sapiranga e Gravataí, em fase de implantação. “Essa missão foi de grande valia. Obtivemos um enriquecimento do conhecimento técnico. Pudemos observar que os sistemas construtivos assumem uma identidade moderna, visando sempre à sustentabilidade através da geração de energia, seja por placas fotovoltaicas ou por energia eólica”, avalia Lúcia.

Mais do que aproveitar a energia renovável dentro dos campi, o IFSul pretende desenvolver projetos para auxiliar as comunidades de seu entorno. Machado observa que uma das maneiras de colaborar com a região é resolver problemas tecnológicos. “Em Venâncio Aires, por exemplo, há uma grande demanda por soluções tecnológicas para a área agrária. A gente sabe que energia chega mais cara no meio rural e podemos pensar soluções para isso," observa.

Segundo o diretor do IFSul Venâncio Aires, uma das ideias é pesquisar e desenvolver painéis solares baseados em outros óxidos, que sejam mais baratos do que o silício. "Como temos o propósito de que nossos alunos trabalhem o empreendedorismo e desenvolvam seus próprios negócios, pretendemos trabalhar em cima de energias alternativas, mais baratas e de qualidade", destaca.
Durante a semana em que estiveram na Alemanha, os representantes do IFSul conheceram usinas e empresas que utilizam energia renovável e eficiência energética em seus produtos. Eles também visitaram a Universidade de Ciências Aplicadas de Trier (Fachhochschule Trier - Umwelt campus Birkenfeld). Esse campus foi concebido com uma proposta de emissão zero de carbono. O IFSul já mantém uma parceria com a instituição, com o intuito de fortalecer as ações de pesquisa do instituto federal. “A ideia é desenvolver projetos que sejam sustentáveis. Ou seja, ambientalmente corretos, economicamente viáveis e socialmente justos”, explicam Ana Maria Geller e Guilherme Karsten Schirmer.

 

Outras Notícias

Imagem

Imagem